sexta-feira, 7 de outubro de 2016

#2 Catarina

A Catarina é o membro mais recente da minha família, apesar de já fazer parte dela há muito tempo. É minha cunhada oficialmente desde o fim de semana passado e uma das pessoas que mais me inspira.

É ela que hoje vos vem contar o porquê de ser vegetariana e também da experiência de ter tido um casamento (ovo-lacto) vegetariano. 

Esta é a Catarina (a mulher dos sete ofícios). Provavelmente já a conhecem da loja e blog Vermelho Morango e UAU Mamã, e também por já ter feito bonitas ilustrações para o VEP. Deixou o seu emprego recentemente para se dedicar, de alma e coração, àquilo que realmente a faz feliz - é professora de Kundalini Yoga, doula e faz costura criativa mais direccionada para bebés, mães e crianças. Só por isso já vale a pena falar dela. Podem seguir a Catarina, no seu blog pessoal, aqui

É-me difícil descrever a Catarina, assim como me é difícil falar de todas as pessoas que gosto muito. É estranho conhecermo-nos há cinco anos, mas sentir uma cumplicidade como se nos conhecessemos há muito. Acho que todos sentem um bocadinho disto quando se cruzam com ela no caminho - uma energia e luz que não passam de todo despercebidas. É das poucas pessoas com quem poderia jantar todos os dias sem me cansar, (não só pela óptima cozinheira que é, ahah) mas por sentir que tenho sempre alguma coisa nova a aprender. 

Vivi recentemente a experiência maravilhosa de ter tido, num só dia, todas as coisas que me fazem feliz - a família, a fotografia e a cozinha vegetariana. E tudo isso aconteceu no passado sábado, no bonito casamento do meu irmão e da Catarina, que não podia ter sido mais especial. 

O que é que mudou desde que te tornaste vegetariana?

Mudou muita coisa! Eu tinha uma alimentação bastante desequilibrada e só fui tomando consciência disso ao longo do tempo. A mudança mais óbvia foi na alimentação propriamente dita porque passei a incluir vegetais no meu prato que era algo MUITO MUITO raro. 
Depois a consciência foi chegando. Fui pesquisando e querendo saber mais sobre a alimentação vegetariana de forma a torná-la equilibrada e saudável e, hoje em dia, é muito raro comer algo em modo automático. Tudo o que como é uma escolha. Acredito muito na energia de cada alimento e às vezes dou por mim a cortar o tomate para a salada e a agradecer-lhe por ser o meu alimento. Ahah!

Que razões te levaram a mudar de estilo de vida?

Quando conheci o Gonçalo ele estava mesmo mesmo a deixar de comer carne e foi ele que me foi alertando para as questões ecológicas. Levou-me uma vez ao Instituto Macrobiótico em que ouvimos o Francisco Varatojo falar sobre o consumo de água necessário para termos um bife no prato. (E isso marcou-me). Ao mesmo tempo que me ia chegando informação sobre perigos do consumo de carne, maus tratos que os animais estão sujeitos para nos satisfazer, questões ambientais e planetárias associadas à indústria pecuária, etc, etc, ia perdendo vontade de comer carne. Inicialmente a grande razão que me levou a deixar a carne foi a minha própria saúde mas, hoje em dia, é muito mais do que isso. Não me faz sentido nenhum um animal morrer para que eu o coma, se há alternativas. Não estou na pré-história em que preciso de caçar para sobreviver. Por isso, não contribuo para que isso aconteça.


O que é que dirias às pessoas que gostavam de ser vegetarianas mas têm medos, dúvidas?

Perguntaria em primeiro lugar: Tens medo de quê? Se souberes exactamente os teus medos é mais fácil desconstruí-los e dar-lhes soluções. Digo também para se informarem! Nós precisamos de ingerir todos os nutrientes, de forma equilibrada. E deixando a carne e o peixe (que são umas das muitas fontes de proteína que existem) é preciso compensar. Aprendam a nível teórico, que alimentos têm o quê? Que quantidade de quê é preciso para o teu prato estar nutricionalmente rico? E depois treina. Faz workshops de cozinha, pergunta a quem tem um estilo de vida vegetariano completamente instituído para que possas absorver TUDO quanto possas. 


Que dificuldades encontras no teu dia a dia, enquanto vegetariana(o)?

A maior dificuldade é quando vamos de viagem. Nós frequentamos todo o tipo de restaurantes mas temos grande preferência e paixão pelos restaurantes vegetarianos (quem cria, monta, dá a cara e cozinha num restaurante vegetariano é de louvar ;)). Em viagem nem sempre é fácil encontrar restaurantes vegetarianos e pior, encontrar restaurantes que cozinhem de forma equilibrada (nem digo saborosa) um prato vegetariano.

Contar uma história engraçada/caricata desde que és vegetariana(o). 

A história mais engraçada que tenho (e da qual me orgulho muito) é também a mais recente. Eu e o Gonçalo casámos no passado dia 1 de Outubro e o nosso casamento foi vegetariano. Esta história merece ser contada porque desde o início que sabíamos que seria assim. Não quisemos ter animais mortos no nosso casamento e todo o menu foi criado de raíz pelo Tiago (grata!!!) com adaptações para que fosse possível todas as pessoas usufruírem de um sabor incrível com todos os nutrientes necessários. Decidimos fazer buffet para que todos pudessem escolher. E foram pratos simples e divinais.

O cocktail desarmou completamente qualquer convidado que tivesse mais resistência porque com os patês, com as bolinhas de queijo enroladas em açafrão, sementes e especiarias, com os croquetes de cogumelos, com as chamuças verdes, com a beringela e com as manteigas aromatizadas, ficámos todos a babar. 

E foi maravilhoso dar oportunidade às pessoas também de abrirem uma porta ao vegetarianismo com a quantidade de variações que existem. Havia pessoa que nos diziam: "Não fazia ideia que era possível comer isto tudo e nada disto ter carne." Exacto! É esse o ponto (de partida ;)).

Fotografia do prato da noiva, no seu casamento vegetariano! 
Por isso sim, noivos, é possível ter um casamento vegetariano à vossa medida!

Obrigada, Catarina M.*

Sem comentários:

Enviar um comentário